CADASTRE-SE

3 Categoria: Artigos » ISO 9001

Os Gurus da Qualidade

Por Desidério | G Plus
Data:

Conheça quem são e o que desenvolveram e contribuiram para a qualidade.

Com certeza qualquer profissional ligado a qualidade, já ouviu ao menos um destes nomes e ou de seus desenvolvimentos e ou pensamentos, ele com certeza contribuiram para o que chamamos de qualidade e suas ferramentas, é impossivel não lembrar dele atráves de um CEP e ou na implantação de um Poka Yoke. Conheça estes que para mim com certeza são os grandes mentores desta area.
Walter Shewhart

Shewhart lecionou e trabalhou com W. E. Deming e é conhecido pelo desenvolvimento do CEP (Controle Estatístico de Qualidade), que utiliza métodos estatísticos para alcançar o estado de controle de um sistema e para julgar quando este estado foi alcançado.

Armand V. Feigenbaum

Definiu, nos anos 50, o conceito de controle da qualidade total: "um sistema eficiente para a integração do desenvolvimento da qualidade, da manutenção da qualidade e dos esforços de melhoramento da qualidade dos diversos grupos numa organização, para permitir produtos e serviços mais económicos que levem em conta a satisfação total do consumidor".

W. Edwards Deming

Adaptou um método de abordagem sistemática para a resolução de problemas conhecido como PDCA (Plan, Do, Check, Action), ou ciclo de Shewhart.


Joseph M. Juran

Para Juran a gestão da Qualidade tem 3 pontos fundamentais, a famosa trilogia:

O planejamento da qualidade: Identificar os clientes, determinar as suas necessidades, criar características de produto que satisfaçam essas necessidades, criar os processos capazes de satisfazer essas necessidades e transferir a liderança desses processos para o nível operacional.

A melhoria da qualidade: Reconhecer as necessidades de melhoria, transformar as oportunidades de melhoria em uma tarefa de todos os trabalhadores, criar um conselho de qualidade que selecione projetos de melhoria, promover a formação da qualidade, avaliar a progressão dos projetos, premiar as equipes vencedoras, divulgar os resultados, rever os sistemas de recompensa para aumentar o nível de melhorias e incluir os objetivos de melhoria nos planos de negócio da empresa.

O controle da qualidade: avaliar o nível de desempenho actual, comparar com os objectivos fixados, tomar medidas para reduzir a diferença entre o desempenho atual e o previsto.

Philip B. Crosby

Crosby definiu a política de qualidade como o estado de espírito dos funcionários de uma organização sobre a forma como devem fazer o trabalho. Se não existir uma política formal estabelecida pela gestão da qualidade, cada um estabelece a sua.

Kaoru Ishikawa

Ihikawa sistematizou os sete instrumentos para o controlo da qualidade:

Análise de Pareto
Diagramas causa-efeito
Histogramas
Folhas de controle
Diagramas de escala
Gráficos de controle
Fluxos de controle

Genichi Taguchi

Em termos gerais há quatro conceitos de qualidade atribuídos a Taguchi:

A qualidade deve ser incorporada no produto desde o início e não através das inspeções. Os melhoramentos devem ocorrer na fase de desenho de um produto ou processo e continuar durante a fase de produção. A falta de qualidade não pode ser melhorada através da tradicional inspeção.

Atinge-se melhor a qualidade minimizando os desvios em relação as metas. O produto deve ser desenhado de forma robusta e imune aos fatores ambientais não controlaveis. Devem ser especificados os valores para os parâmetros críticos e assegurado que a produção satisfaz essas metas com o mínimo desvio.

A qualidade não deve ser baseada no desempenho ou características do produto. Isso faz variar o seu preço e/ou mercado mas não a qualidade. O desempenho e as características do produto podem estar relacionados com a qualidade mas não são a base da qualidade. Pelo contrário o desempenho é uma medida das capacidades do produto.

Os custos da qualidade devem ser medidos em função dos desvios do desempenho do produto. Isto inclui custos do "Retrabalho", inspeção, garantias, devoluções e substituições.

Tom Peters

Introduziu o conceito de "Excelência" juntamente com Waterman no livro de gestão mais vendido de sempre - "In Search of Excellence". Para os autores, as empresas excelentes têm oito características distintivas:

-Inclinação para a ação;
-Proximidade do cliente;
-Autonomia individual;
-Produtividade através das pessoas;
-Criação de valores concretos;
-Centrar-se no essencial;
-Simplicidade formal;
-Existência em simultâneo de rigidez e flexibilidade.

Shigeo Shingo

Deve-se a ele uma estrategia para a melhoria contínua através do envolvimento criativo de todos os trabalhadores.

No período de 1961-1964 estendeu as ideias de controle de Qualidade e desenvolveu o [B]Poka-yoke[/B], teste de erro e o conceito de "zero defeitos".

Leia a seguir: Teoria do Arquipélago



Recomendados para você
Ainda restam dúvidas? Pergunte aqui em nosso fórum
Mais de ISO 9001



Comentários:

TOPO