[VÍDEO] Bastion: Análise do jogo

Confira o nosso review do game Bastion, um dos maiores clássicos do universo indie.

Por | @oficinadanet Games

Bastion é um RPG indie de ação, vencedor de diversos prêmios, desenvolvido pela Supergiant Games. O jogo conta com suporte para diversas plataformas como Xbox 360, Xbox One, PS3, PS4, Windows, Linux e Mac.

  • Bastion é um RPG de ação produzido por desenvolvedores independentes da Supergiant Games e publicado pela Warner Bros. Interactive Entertainment.

    Estúdio Warner Bros. Interactive Entertainment
    Gênero Ação e RPG
    Classificação 10
    Desenvolvedora Supergiant Games
    Jogadores Multiplayer Não possui multiplayer
    Plataforma Playstation 4, Xbox 360, Xbox One, Linux, Mac, PC e Playstation 3

História

Começando pela história, o jogo gira em volta de um personagem conhecido como “the Kid” ou “a Criança” em português, que acordou um dia e descobriu que o mundo foi destruído por um evento chamado a Calamidade. O foco da história é a jornada de “the Kid” nos poucos pedaços que restaram do mundo em busca de peças para consertar um abrigo para seu povo, chamado “Bastion”.

A campanha prossegue em um sistema de fases e a história é contada conforme o jogador avança nelas. Quem conta a história é um narrador chamado Rucks, que fala detalhes das personagens e do mundo de Caelondia enquanto o jogador vai atravessando os cenários. Se você for um jogador mais curioso, pode encontrar detalhes extras sobre a história em algumas fases especiais, desbloqueadas no decorrer do jogo.

[VÍDEO] Bastion: Análise do jogo

A narração do jogo é dinâmica então algumas ações do jogador como as armas que usa ou os caminhos que escolhe são narrados em tempo real. Mas se por um lado essa narração deixa o mundo de Bastion mais vivo, por outro faz com que o personagem principal pareça, de uma certa forma, distante.

Conforme você avança no jogo, vai encontrar alguns objetos antigos que foram perdidos. Eles são conhecidos como “Mementos”, e podem ser levados ao Rucks e servem como pistas sobre o passado das personagens e sobre os fatos que desencadearam a Calamidade.

A história é cheia de momentos tristes e pesados, fazendo o jogador passar por perdas e presenciar a destruição de um mundo, provocando uma reflexão sobre a importância do que restou após esse evento. Apesar de profunda e aparentemente complexa, a história é muito bem desenrolada e apresentada ao jogador no decorrer de sua aventura. São diversas as oportunidades em que o jogo te revela toda a história sobre o “Bastion” e a terrível “Calamidade”.

Jogabilidade

Em termos de jogabilidade, Bastion possui alguns elementos de RPG. Entre eles permite melhorar e modificar seu personagem de várias maneiras. O melhor de tudo é que esses aprimoramentos podem ser mudados a qualquer momento. Dessa forma você pode testar todas as armas e suas variações para ver qual estilo de combate mais te agrada.

Conforme você avança na história ao derrotar inimigos você ganha pontos de experiência que aumentam seu nível. Nas missões também são encontrados fragmentos do Mundo Antigo e recursos que podem ser combinados para aprimorar as várias armas disponíveis durante o jogo.

O combate em Bastion é simples, mas desafiador. O jogador pode escolher 2 armas de seu arsenal e 1 habilidade especial. Existem mais de 10 armas diferentes, entre elas armas de curto alcance, longo alcance, dano em área e outras variações, que são usadas para enfrentar inimigos, que apresentam diversas mecânicas, adicionadas pouco a pouco durante o jogo. Em diferentes momentos eles também aparecem com variações de poder e golpes.

[VÍDEO] Bastion: Análise do jogo

Além das armas e das várias habilidades, o jogador tem um escudo que pode ser usado para se defender ou refletir ataques. Também possui a capacidade de se esquivar fazendo uma cambalhota, bem útil para situações com vários inimigos. Além da vida, o combate apresenta 2 recursos adicionais que são limitados e por isso devem ser bem administrados que são os Health Tonics, que recuperam parte dos pontos de vida do personagem, e os Black Tonics, que representam o número de cargas de habilidade que podem ser utilizadas.

Existem também algumas fases especiais chamadas de Proving Grounds onde o você pode testar suas habilidades com cada arma realizando desafios para conseguir materiais e habilidades especiais novas. Todos esses elementos juntos fazem com que você se sinta incentivado a testar as várias opções do jogo e isso acaba mudando a jogabilidade das batalhas. Isso sem dúvida é um ponto positivo já que com o passar do tempo as lutas podem começar a ficar um pouco repetitivas demais.

Como os comandos são simples e o número de inimigos diferentes a serem enfrentados não é tão grande, o combate, apesar de dinâmico, pode começar a se tornar meio repetitivo no decorrer do jogo, e em certos casos ficar até mesmo fácil. Apesar de isso parecer ruim, o jogo oferece 2 maneiras legais de lidar com isso:  A primeira são os Proving Grounds e a segunda maneira é um templo, no qual o jogador pode escolher aumentar a dificuldade dos inimigos em troca de recompensas maiores. Esses dois elementos juntos ajudam a compensar a repetição do combate ao adicionar novos níveis de dificuldade e permitir ao jogador a experimentação de novas combinações de armas e golpes.

Gráficos

Falando um pouco sobre a parte visual, Bastion não tem gráficos extravagantes mas é uma obra de arte. O ambiente do jogo é completamente desenhado à mão e com uma paleta de cores bem rica e diversificada. Apesar de 2D, o campo de visão amplo da câmera isométrica dá uma sensação de profundidade e imersão.  As cores também são bem usadas para representar mudanças na história, situações adversas ou áreas de perigo.

Durante a história diversos locais são visitados e cada um deles têm sua personalidade visual própria, com elementos gráficos diferentes e uma temática sempre bem definida e explorada. Detalhes esses que também são vistos nos backgrounds, cujo design acompanha a identidade de cada local que ele é responsável por preencher.

[VÍDEO] Bastion: Análise do jogo

Além do visual incrível, o gráfico do jogo ainda surpreende com uma característica muito interessante: o mapa vai sendo construído conforme o personagem caminha pela fase. Essa característica além de facilitar o jogador a se locomover pelo mapa, já que o jogador só pode andar sobre os pisos que surgem, também incrementa a experiência do jogador, como se você mesmo fosse criando o mundo conforme anda sobre ele.

Sonoplastia

Os efeitos sonoros, em geral, não são o carro-chefe do jogo. Isso não é uma crítica, não é como se os sons fossem mal feitos nem nada do tipo, pois Bastion entrega com os efeitos sonoros justamente o que você espera que ele entregue. Objetos sendo destruídos, armas disparando, projéteis sendo refletidos, elixires sendo coletados, todos esses e outros eventos que acontecem no jogo apresentam seus efeitos sonoros respectivos. É possível perceber a preocupação da equipe de produção sonora em fazer com que esses efeitos soem naturais para o jogador. O fato é, eles são simples, sem muitos detalhes.

Vale ressaltar que, como o áudio da narração e da música vem, por padrão, mais alto que o dos efeitos sonoros, talvez esse seja mesmo o objetivo do jogo, direcionar a importância sonora para a narração e música em detrimento da especificidade dos efeitos sonoros.

[VÍDEO] Bastion: Análise do jogo

Em compensação, a música do jogo é excelente. É comum que em muitos jogos a trilha sonora fique em segundo plano, mas isso não acontece Bastion. Do começo ao fim do jogo músicas de alta qualidade podem ser ouvidas acompanhando as aventuras de “the Kid”. As mais de vinte faixas misturam estilos diversos e combinam com os vários momentos da história. Com influências que variam do country até a música eletrônica, a trilha sonora do jogo é tão bem trabalhada que vai te querer fazer ouvir de novo.

Bastion tem uma dublagem de primeira que foi muito aclamada pela crítica. A excelente qualidade da dublagem vai fazer com que você ache as mais de três mil linhas de diálogo de Rucks pouco e ainda queira mais. E por causa do mecanismo de narração dinâmica, a experiência é ainda melhor. Com a qualidade que a dublagem de Rucks tem, é uma pena que ele seja praticamente o único a falar na história; um pouco de variedade seria muito bem-vinda. Mas como aquilo que está no game é muito bom, a gente deixa passar.

Conclusão

Concluindo, Bastion é um excelente jogo que, apesar de apresentar uma campanha curta e não apresentar modo multiplayer, os novos modos de jogo liberados após o fim da campanha, as diferentes combinações de armas e todas as variações de dificuldade com certeza garantirão a você muitas horas de diversão. Bastion é, sem dúvida, um jogo que vale o investimento.

Mais sobre: bastion, games, jogos
Share Tweet
Comentários