Conheça todos os tipos de estrelas que existem no universo

Dos incontáveis pontos brilhantes do céu, as estrelas possuem tamanhos, cores, temperaturas, densidades e massas muito diferentes umas das outras.

Imagem: Divulgação
Imagem: Divulgação

Somente em nossa galáxia, a Via Láctea, existem de 200 a 400 bilhões de estrelas. Eles vêm em tamanhos muito diferentes e suas massas e brilho podem variar dramaticamente. Ao longo dos anos, os astrônomos criaram diferentes catálogos onde as estrelas são classificadas de maneiras um tanto diferentes, e nem sempre é um processo direto, nem a classificação é imutável - mudou ao longo dos anos, conforme nossa compreensão das estrelas melhorou.

Todos esses estudos e classificações de astros são complexos, mas daremos uma breve e simples introdução a quantos e quais os tipos de estrelas que existem por ai, seus tamanhos, cores e individualidades podem ser muito mais interessantes do que se imagina.

O que é exatamente uma estrela?

As estrelas são essencialmente algo quente e brilhante no espaço, são reatores termonucleares gigantes. Eles são responsáveis ​​por aquecer alguns planetas a uma temperatura habitável, eles produzem a grande maioria dos elementos químicos que conhecemos e são basicamente a razão pela qual o universo não é um lugar completamente congelado e estéril.

A vida de uma estrela começa quando uma nebulosa gasosa de material começa a entrar em colapso devido à sua própria gravidade.

Assim como os planetas, todas as estrelas são redondas, por causa desse colapso gravitacional. Quando o núcleo estelar reúne massa suficiente, ele começa a desenvolver uma atração gravitacional significativa, que compacta as partículas ainda mais fortemente, aumentando a densidade. Então, uma vez que um ponto crucial é alcançado e o núcleo estelar torna-se suficientemente denso, o hidrogênio começa a ser convertido em hélio por meio da fusão nuclear, liberando energia no processo - e assim, nasce uma estrela.

Essa fusão de hidrogênio-hélio é o combustível da estrela, e o calor que ela produz também cria uma pressão que evita que as estrelas entrem em colapso. Dependendo de sua massa, as estrelas também terminarão em um curso diferente.

Em geral, estrelas maiores têm vidas mais curtas, embora geralmente estejamos falando de bilhões de anos. No entanto, seu ciclo de vida depende muito de sua massa.

Classificando as estrelas:

A classificação tradicional aqui é chamada de classificação de Harvard, uma classificação unidimensional em que as estrelas são agrupadas por sua temperatura, com uma letra representando cada categoria. No entanto, esta classificação não distingue entre estrelas com a mesma temperatura, mas com luminosidades diferentes. Assim, um novo sistema de classificação foi elaborado - a classificação Morgan - Keenan (MK), que também inclui a luminosidade.

O sistema de classificação moderno para eles é chamado de classificação Morgan - Keenan (MK) e também inclui a luminosidade. De M a O, se classificam estrelas de acordo com sua temperatura e massa, sendo O as maiores e mais quente (geralmente azuis), e M as menores e mais frias (geralmente alaranjadas e vermelhas, como o Sol).

A classificação de estrelas de acordo com sua temperatura e massa
A classificação de estrelas de acordo com sua temperatura e massa

Cada estrela recebe uma classe espectral da antiga classificação espectral de Harvard, bem como uma classe de luminosidade usando algarismos romanos, conforme explicado abaixo, formando a classificação da estrela. Então você teria, por exemplo, estrelas BI, estrelas, BII e assim por diante.

  • Ia-O: Supergigantes extremamente luminosas
  • Ia: Luminosas supergigantes
  • Ib: Supergigantes menos luminosas
  • II: Gigantes brilhantes
  • III: Normais
  • IV: Subgigantes
  • V: Estrelas anãs da sequência principal
  • VI ou sd: Subanãs
  • D: Anãs brancas

Classificação estelar de brilho

Portanto, as estrelas M são as menores, as estrelas O são as maiores, e a luminosidade varia de I (mais brilhante) a VI (menos brilhante) e D (anãs brancas). Como mencionado, o Sol é uma estrela do tipo G2V. Alpha Centauri A também é uma estrela G2V, enquanto Proxima Centauri é uma estrela do tipo M5.5-V.

Existem outras classificações e a conversa sobre mudanças nas classificações não é inédita no mundo astronômico, à medida que nossa compreensão progride e melhora.

Existem também tipos de estrelas mais exóticos. Por exemplo, pesquisas recentes sugeriram que estrelas da classe L (pequenas, escuras, avermelhadas) e estrelas da classe T (anãs do metano) poderiam ser mais comuns do que todas as outras classes combinadas, mas são mais difíceis de descobrir.

Existe ainda outra classe - Classe Y de estrelas anãs marrons, mais frias do que as da classe espectral T e com assinaturas espectrais diferentes. Até agora, menos de duas dúzias dessas estrelas foram confirmadas. A classe C de estrelas de carbono também é discutida, e as estrelas de classe D são normalmente usadas para denotar qualquer estrela que não esteja atualmente em fusão. Estima-se que existam 300 bilhões de estrelas somente em nossa galáxia, e não temos ideia de quantas galáxias existem no universo, mas as estimativas variam na casa dos trilhões. Vou deixar você fazer as contas.

À medida que nossa capacidade de detecção e poder de processamento de imagem avançam, provavelmente continuaremos descobrindo novas estrelas que melhoram e desafiam nossa compreensão atual. Há muito mais para descobrir.

5 celulares para NÃO COMPRAR em 2021

Conteúdo relacionado

Xiaomi Mi Band 6 Review: Melhor que smartwatches?
Smartwatches

Xiaomi Mi Band 6 Review: Melhor que smartwatches?

A mais recente smartband da Xiaomi trouxe tela maior e algumas novidades em seu software. Continua valendo a pena?

O Paradoxo de Fermi e por que nunca encontramos vida no universo
Ciência

O Paradoxo de Fermi e por que nunca encontramos vida no universo

Segundo um recente estudo há mais estrelas no universo do que grãos de areia no planeta Terra. Há 70 septiliões de estrelas, 17 bilhões de planetas similares à Terra apenas na Via Láctea, uma dos tantos bilhões de galáxias por aí e você realmente acha que estamos sozinhos no universo? Bitch, please.

O buraco negro mais próximo da Terra é descoberto
Ciência

O buraco negro mais próximo da Terra é descoberto "escondido" entre duas entrelas

A descoberta se deu ao observar que duas estrelas orbitavam um corpo invisível de massa gigantesca, exemplificando que buracos negros podem ser mais discretos do que se pensava.