A história de Williamina Fleming, de empregada doméstica à astrônoma

Neste dia Internacional da Mulher, nada mais justo do que lembrar de Williamina Fleming, uma brilhante cientista que sofreu todo o machismo da época, mas que fez descobertas importantíssimas para a astronomia.

Por | @oficinadanet Ciência Pular para comentários

Hoje é o Dia Internacional da Mulher, e para celebrar e, especialmente, retratar a importância da mulher na história da ciência, e a necessidade de igualdade de direitos, vou falar sobre a história de uma cientista incrível e brilhante, que por ter nascido mulher, teve muito mais dificuldade para exercer a sua vocação. Mas com muita luta e determinação, conseguiu mudar a história. Estamos falando de Williamina Fleming, a doméstica que se tornou uma renomada cientista.

Williamina Fleming, de empregada doméstica à astrônoma

A primeira das mulheres astrônomas famosas do Observatório da Faculdade de Harvard, Williamina Fleming (1857-1911) ajudou a revolucionar a astronomia entre o final do século XIX e início do século XX. Ela descobriu dez novas, e mais de 200 estrelas variáveis. Ela também desenvolveu um novo sistema de classificação de estrelas. Fleming foi considerada a principal astrônoma mulher de sua época, e suas realizações abriram o campo da astronomia para muitas outras mulheres.

Williamina FlemingWilliamina Fleming

Nascida em Dundee, Escócia, em 15 de maio de 1857, Williamina (conhecida como Mina) Fleming era filha de Robert e Mary (Walker) Stevens. Seu pai tinha um lucrativo negócio de moldura de fotos, e era bem conhecido pelo trabalho. Ele também foi um dos primeiros em Dundee a experimentar a fotografia. Ele morreu quando sua filha tinha sete anos. Fleming frequentou escolas públicas em Dundee até os 14 anos. Ela então trabalhou como professora até se casar com James Orr Fleming, aos 20 anos de idade.

Contratação como empregada doméstica

Em 1878, o casal emigrou para os Estados Unidos, estabelecendo-se em Boston. Logo após a chegada do casal, o marido a abandonou. Para piorar a situação, ela estava grávida. Fleming foi obrigada a trabalhar como empregada doméstica para se sustentar. Mas o empregador que daria a oportunidade à ela mudaria sua vida.

Em 1879, Mina Fleming foi trabalhar para Edward C. Pickering, um astrofísico e diretor do Harvard College Observatory. Ela voltou brevemente para a Escócia naquele outono, para dar à luz seu filho, pois desejava estar com a família na hora do parto. 

A ascenção para assistente de astronomia

Ela havia gostado muito de Pickering, inclusive ela colocou o nome de seu filho de Edward Pickering Fleming. Pickering era um defensor do ensino superior para mulheres e um empregador exigente. Frustrado com as ineficiências de seu assistente, ele proclamou a empregada escocesa para substituí-lo. Logo, o jovem de 24 anos de idade progrediu do trabalho doméstico para observações astronômicas.

O principal trabalho do Observatório de Harvard, tornado possível pelo Memorial Draper estabelecido por Mary Anna Palmer Draper em 1886, foi usar fotografias para analisar os espectros, brilho, posições e movimentos das estrelas. As fotografias revelavam comprimentos de onda de luz que eram invisíveis ao olho humano e, portanto, nunca haviam sido vistos com telescópios. 

As fotografias de espectros de estrelas, o padrão de bandas e linhas que se formam quando a luz de uma estrela é dispersa por um prisma, fornecem uma maneira inteiramente nova de classificar e analisar estrelas. 

Descobertas de Williamina Fleming

Nettie A. Farrar, assistente do Observatório que estava prestes a se casar, treinou Fleming para analisar os espectros. A contribuição mais importante de Fleming para a astronomia foi sua classificação de 10.351 estrelas em 17 categorias para o Catálogo Draper de Espectros Estelares, publicado em 1890. Seu sistema de classificação, conhecido como o Sistema Pickering-Fleming, suplantou o sistema de classificação original desenvolvido por Pickering.

No curso de sua carreira, Fleming examinou cerca de 200.000 chapas fotográficas, feitas em Cambridge e no observatório do sul de Harvard, em Arequipa, Peru, e supervisionaram sua classificação. Os estudos de Fleming dessas placas fotográficas de espectros de estrelas levaram às suas descobertas de dez das 24 novas que eram conhecidas na época de sua morte, em 1911.

Novas são estrelas cuja luz aumenta repentina e dramaticamente, e depois desaparece. Ela também descobriu 59 nebulosas gasosas. As nebulosas gasosas são nuvens ou poeira interestelar de alta densidade, pertencentes a dois grupos de nebulosas - planetárias e difusas. 

Uma de suas descobertas mais importantes dizia respeito às estrelas variáveis ​​de longo período, que eram consideradas muito raras, já que seu brilho mudava tão lentamente que a magnitude do brilho não variava. Fleming descobriu que as estrelas variáveis ​​poderiam ser identificadas por certas características espectrais. Isso permitiu que ela identificasse e analisasse 222 dessas estrelas. 

Além disso, ela selecionou estrelas de comparação, que permitiram que o brilho das estrelas variáveis ​​fosse determinado com precisão. Este foi o primeiro padrão fotográfico para determinar a magnitude do brilho das estrelas. 

Das 107 estrelas incomuns Wolf-Rayet conhecidas na época, Fleming descobriu 94. Em 1891, Fleming descobriu variações espectrais correspondentes a mudanças na luz da estrela Beta Lyrae, indicando que era uma. Este foi o primeiro padrão fotográfico para determinar a magnitude do brilho das estrelas. 

O machismo e a inserção de mulheres na astronomia

Em 1891, Fleming descobriu variações espectrais correspondentes a mudanças na luz da estrela Beta Lyrae, indicando que era uma estrela dupla. A última descoberta é geralmente creditada a Pickering. Os primeiros trabalhos de Fleming foram publicados sob o nome de Pickering, embora em 1890, "M. Fleming" estivesse aparecendo nos relatórios como co-autor de Pickering.

O trabalho de Fleming no observatório foi tão notável que Pickering a encarregou de contratar e supervisionar uma equipe de mulheres para classificar e estudar a imensa coleção de fotografias de espectros de estrelas. Nos 15 anos seguintes, Fleming contratou cerca de 20 mulheres. Algumas delas eram formadas em astronomia, e se tornaram astrônomas famosas por direito próprio. 

Williamina Fleming e demais astrônomas trabalhando.Williamina Fleming e demais astrônomas trabalhando.

Entre essas mulheres estavam Antonia Maury , Henrietta Leavitt e Annie Jump Cannon. Em 1893, Fleming fez um discurso sobre o trabalho das mulheres na astronomia, na Feira Mundial de Chicago e, depois disso, uma medida sobre a importância da mulher. Como resultado, outros observatórios dos Estados Unidos começaram uma contratar mulheres.

Em 1898, Fleming foi curadora de fotografias astronômicas no Observatório, a primeira mulher nomeada pela Harvard Corporation. Ela dirigiu o trabalho das outras mulheres, ajudou Pickering no Observatório e preparou o trabalho de outras astrônomas para publicação. 

Williamina Fleming e suas colegasWilliamina Fleming, Pickering e suas colegas de trabalho

Muito de seu tempo foi ocupado com a edição dos Anais do Harvard College Observatory, que ela ressentiu posteriormente por te-lá distraído de sua própria pesquisa astronômica. 

Desigualdade salarial

Fleming trabalhou 60 horas por semana por um salário de US$ 1.500 por ano, o que foi muito abaixo do que o mais novo assistente do sexo masculino no Observatório recebeu. Seus diários, recentemente descobertos, do ano de 1900, revelam sua frustração com essa situação, particularmente porque ela estava colocando seu filho no Massachusetts Institute of Technology. Ela teve que lutar para sobreviver, mas ficou ainda mais indignada por ter seu trabalho e sua perícia desvalorizados.

FlemingFleming

Fleming foi agraciada como membro honorário da Royal Astronomical Society, e das sociedades astronômicas francesa e mexicana. Este último presenteou-a com uma medalha de ouro pela descoberta de novas estrelas. 

Ela foi uma das 11 mulheres fundadoras da American Astronomical Society, e bolsista honorária do Wellesley College. Após sua morte por pneumonia, aos 54 anos, Fleming foi sucedida como curadora por sua protegida, Annie Jump Cannon.

Comentários
Carregar comentários
Destaques
    Assista ao nosso último vídeo:
    Inscreva-se no canal