A História da Apple (parte 3)

Ansiosos pela terceira parte da história da companhia mais valiosa do mundo? Quer saber o que aconteceu após a volta do gênio Steve Jobs? Então vamos lá:

Por | @Evilmaax Tecnologia

Para ver a parte 1 clique aqui, para ver a parte 2, aqui e para ver a parte final aqui.

Lembram-se que nossa última parte terminou com a volta de Steve Jobs à companhia? Pois bem, sigamos: No momento da volta de Jobs, a Apple estava se readequando para sair do buraco que estava sendo cada vez mais enterrada.

Além de comprar a empresa criada por Steve Jobs, a Next Computer, a Apple adquiriu várias outras empresas do ramo de softwares de produção digital, uma estratégia de realinhar seus pensamentos e criar um portfólio de produção digital profissional e ou para o consumidor. Entre suas aquisições estão o software Final Cut Pro da Macromedia, em 1998, indicando sua expansão no mercado de edição de vídeo digital, a empresa Nothing Real e a Emagic em 2002.

Como resultado da compra do Final Cut surgiram o IMovie para os consumidores domésticos e o Final Cut Pro para os profissionais em 1999. O software logo passou a ser um programa de edição de vídeo bastante utilizado, alcançando a marca de 800 mil usuários registrados no início de 2007. Já a compra da Nothing Real rendeu o software de composição digital “Shake”, e através do Emagic a aplicação GarageBand. Haveria ainda o lançamento do iPhoto que concluiria a suíte iLife.

Acha que essa foi uma grande mudança? Espere até ver a próxima: Sabe a Microsoft, aquela mesma empresa com a qual a Apple lutou judicialmente por anos? Pois saiba que a Apple e Microsoft aliaram-se em um acordo de 150 milhões de dólares.

Leia também:

O negócio ocorreu em 1997, quando a Microsoft comprou 150 milhões de dólares em ações sem direito de voto da Apple. Mas não pense que o negócio foi porque a Microsoft e legal e é queria ajudar a salvar a rival da falência, a verdade é bem menos distinta. Na verdade a aliança foi porque a Microsoft queria desenvolver uma versão do pacote Office para o sistema operacional da maçã.

Paralelamente a essas estratégias de inovação digital, Steve Jobs voltou à Apple com uma missão: reinventar a marca que morria lentamente e rumava à falência. E foi justamente isso que ele fez. Em 15 de agosto de 1998, a Apple apresentou sua nova arma: um computador “tudo em um”: o iMac. A equipe de design do iMac foi liderada por Jonathan Ive, aposta pessoal de Jobs, que mais tarde iria projetar também o iPod e o iPhone.

A História da Apple (parte 3)

O iMac, produzido até hoje, em sua 8ª geração, contou com tecnologia moderna e um design único desde a primeira versão, a G3. E se você está se perguntando se p produto emplacou, veja este dado: O primeiro iMac vendeu cerca de 800 mil unidades em seus primeiros cinco meses!!

A História da Apple (parte 3)

Inovando ao ser o primeiro modelo de computador a destoar da característica cor bege e apresentar modelos coloridos, a versão inicial chegava ao consumidor com até 128gb de HD, entre 32 e 512 mb de memória Ram e processador de 233 mhz até 750 mhz, dependendo da configuração escolhida. Hoje em dia os iMac’s são conhecidos por seu alto desempenho, sendo a escolha da maioria dos hardcore users como designers, editores de vídeo, desenvolvedores, etc. A última geração, chamada de Slim Unibody iMac, conta com tela de até 27 polegadas, memória de até 32gb, processador intel i7, além de um design único (os computadores da Apple começaram a migrar para a tecnologia da Intel em 2005, segundo Steve Jobs, os desenvolvedores da IBM não estavam atendendo às demandas necessárias que a empresa precisava para ganhar mercado).

Detalhe: Se você quiser o topo de linha, a exclusividade total, e não se importar de pagar por isso, pode escolher o iMac de 27 polegadas de 5k, a maior qualidade de resolução do planeta Terra. As configurações apontam um processador Intel Core i5 quad core de 3,5GHz com Turbo Boost de até 3,9GHz, 8GB de memória (duas de 4GB), Fusion Drive de 1TB1 e AMD Radeon R9 M290X com 2GB de memória de vídeo;.

A História da Apple (parte 3)

Um outro fator que chamou a atenção das pessoas quanto ao iMac, na época de seu lançamento, foi um dos comerciais vinculados na mídia. Apelidado de " Shootout simplicity", um garoto de 7 anos e seu border collie de nome Brodie são desafiados a montar um iMac, correndo contra Adam Taggart, um estudante de MBA da Universidade de Stanford, com um HP Pavilion 8250.  Em uma corrida para ver quem acessava montava primeiro a máquina e acessava a internet, Johann e Brodie terminou em 8 minutos e 15 segundos, enquanto Adam ainda estava trabalhando nele até o final do comercial, ele demoraria quase 30 minutos para realizar a tarefa. Confira:

Com o sucesso das vendas do iMac a Apple começou novamente a respirar com mais alívio, podendo planejar então uma nova inovação entre sua linha de produtos: estava na hora de reformular o famoso Mac OS, seu sistema operacional. A ideia era criando uma plataforma nova que fosse poderosa e unisse o poder e a estabilidade do sistema Unix com a praticidade e elegância do consagrado Mac OS. Pois eles conseguiram, e em 2001 foi lançado o Mac OS X V 10.0 Cheetah.

Mas somente o mercado de computadores não era a visão que Steve Jobs tinha para a empresa. Ele queria mais, bem mais. Foi assim que foi lançado em 2001 o MP3 player iPod junto com a loja iTunes, a plataforma mais bem-sucedidas de venda online de músicas de todos os tempos.

Chegando hoje a até 160gb de capacidade, a primeira geração dos iPod começou de forma modesta, com apenas 5gb de armazenamento. Hoje existem diversas versões e gerações do aparelho. O iPod Classic, por exemplo, está atualmente em sua 6ª geração, o iPod Mini em sua 2ª, o iPod Nano em sua 7º geração, o iPod Shuffle em sua 4ª e o iPod Touch em sua 5º geração.

Leia também:

Revolucionando o mundo da música, onde agora as pessoas não precisam mais sair com um enorme discman na cintura, o iPod, minúsculo e com milhares de músicas em seu interior consagrou-se como o maior sucesso de vendas da Apple, sendo superado somente em 2010 pelo iPhone. Até o final de 2013 a Apple vendeu quase 400 milhões de iPods no mundo, somando todos os modelos. Por este sucesso e pelo sucesso da iTunes Store (como veremos abaixo), em 2007 o valor das ações da Apple passaram pela primeira vez da casa dos 100 dólares.

A História da Apple (parte 3)

Parte do sucesso do iPod foi dividido e resultado do iTunes. Comprado pela Apple em 2000, a plataforma que integrava música, vídeo, um avançado sistema de bibliotecas, compra e download de músicas, aplicativos, jogos, filmes, rádios, sincronização e backup de dispositivos e periféricos da marca, podcasts, programas de tv, audiobooks, gerenciamento de contas, etc. foi um sucesso desde seu lançamento.

Hoje o depósito do software conta com mais de 37 milhões de músicas à venda, 1 milhão de podcasts, 40 mil clipes de música (somente nos EUA), 20 mil audiobooks, 3 mil programas de Tv (somente nos EUA), 45 mil filmes (somente nos EUA) e 1 milhão de aplicativos. E para quem acreditava que vender músicas, filmes ou qualquer cosia que poderia ser obtida de graça na internet nunca daria certo, prepare-se para as cifras:

Nas primeiras 18 horas de atividade da loja foram vendidas 275 mil músicas; a música de número 1 milhão demorou 5 dias para ser alcançada. Na versão para Windows essa meta foi batida ainda antes, em 3 dias! Segundo Steve Jobs, na conferência MacWorld de 2004, houve um usuário que comprou 29 mil e 500 dólares de música na iTunes Store. Em 2008 a empresa chegava a vender 60 milhões de aplicativos por mês e registrar lucros de mais de 1 milhão de dólares por dia.

Agora veja os últimos dados informados pela Apple: 25 bilhões de músicas vendidas; 45 milhões de vídeos, 50 milhões de episódios de Tv, 2 milhões de filmes, 2 milhões de episódios de tv em HD e mais de 60 bilhões de aplicativos. Estas cifras lhe conferem o título de maior vendedor de música dos Eua, maior vendedor de filmes online do mundo. E ainda tinha gente que não acreditava em vender algo por 99 centavos de dólar...

No iTunes Store do Brasil o Itunes Match, o serviço de venda de músicas e de filmes foi introduzido em 13 de dezembro de 2011, e a de livros em 22 de outubro de 2012. Além disso, se sua conta é brasileira, você também tem acesso a clipes musicais, podcasts, programas de afiliados, apps, eiTunes university. O preço por música varia entre 0.69 a 1.29 dólares americanos.

Abaixo veja, em verde, os países onde o iTunes Store está disponível.

A História da Apple (parte 3)

E você, leitor? Na época em que foi lançada a iTunes Store acreditava na compra e venda daquilo que poderia ser obtido de graça no Pirate Bay? Comente aí embaixo e até a próxima, com os iPhones, iPads, a morte de Steve Jobs e a última parte da história da Apple. E não esqueça, a parte 1 está aqui, a parte 2, aqui e a parte final aqui.

Mais sobre: Apple, Históriasdigitais, iTunes
Share Tweet
Mais compartilhados
Comentários
Continue lendo