Cross Browser - A história

Quantas vezes estudamos algo sem dar devida atenção a história daquilo que queremos estudar e somente depois percebemos que falta ainda uma base mais sólida para realmente compreender o que desejamos.

Por | @luizcastrojr Programação

Conhecer um pouco da história de cada coisa que se tem interesse é muito importante para o desenvolvimento, tanto da base de aprendizado como também para desenvolvimento e continuidade de idéias ou tecnologias. Hoje apesar de quem inicia no desenvolvimento Web já iniciar no Crossbrowser é importante saber como tudo começou e para os menos avisados fica a dica para direcionar seus esforços de estudos. Não é por menos que ainda lemos em fóruns pessoas procurando informações sobre práticas de desenvolvimento já não mais usadas.

Cross Browser - A história

Quem começou a trabalhar com desenvolvimento a um bom tempo e estava na briga dos browsers sabe como tudo melhorou com o Crossbrowser, desde a dificuldade técnica como a operacional foram substituídas pelos padrões W3C. Não entendeu nada? Certo, vamos à história.

Quando o desenvolvimento de Sites começou não existiam padrões Web e por isso cada navegador na época entendia o código da forma que desejava. A Microsoft e a Netscape criaram o seu estilo de interpretação único fazendo da vida de um desenvolvedor Web um verdadeiro inferno se ele necessitaria desenvolver o mesmo trabalho para ambos navegadores, ou seja, seria o mesmo site escrito de duas formas praticamente diferentes, mais tempo, mais estresses e muito mais investimento para isso.

Nossa história começa com dois personagens, o Internet Explorer (Microsoft) e o Netscape Navegator (Netscape), esses são os brigões, foi a briga entre eles pelo domínio do mercado que fez com que tudo isso ocorresse. Por parte da Netscape o seu navegador apesar de na época estar como líder de mercado não tinha muita qualidade, não existia neste browser a ‘otimização’ da velocidade de conexão (parece brincadeira se compararmos a velocidade de conexão de hoje com a da época), a Microsoft percebendo que poderia ganhar espaço no mercado oferecendo um navegador que fosse capaz de oferecer a otimização da conexão com a facilidade de uso trouxe então ao Internet Explore algo que o faria ser o líder de mercado – A otimização da conexão e a simplicidade.

Para maximizar o resultado e garantir a liderança do mercado a Microsoft então integrou o Internet Explore no pacote das versões do Windows chegando então a ser líder absoluta do mercado, o que faz a Microsoft ter a sensação de ditar as regras na Web, só que isso muda quase que completamente com a padronização para desenvolvimento Web.

A guerra entre browsers foi sendo desmotivada pelos padrões e esses motivados pelo grande potencial econômico da Internet que exigiria então desenvolvimento rápido, estratégico e funcional. Entra em cena o W3C, esses são os reais responsáveis pela padronização da Web. Todos os navegadores atuais e alguns antigos que receberam as atualizações trabalham com esses padrões, reconhecem e seguem as regras definidas pelo W3C.

Os navegadores que seguem as regras W3C têm a capacidade de responder facilmente as tecnologias comuns de desenvolvimento web (HTML, JS, CSS) que formam o DHTML, apenas no caso do CSS o Internet Explore acaba sendo um empecilho quando o assunto é usar recursos avançados dessa linguagem de desenvolvimento web.

O chamado DOM (document Object Model) tem seu suporte em todos os navegadores e como sempre a especial Microsoft faz adições para estender as funcionalidades e recursos proprietários tentando assim diferenciar-se, o que não traz muito resultado.

Portanto ao estudar desenvolvimento Crossbrowser não busque informações diretamente nos materiais da Microsoft, pois praticamente tudo o que é necessário está no DOM padrão que é reconhecido por todos os navegadores, então o que você desenvolver com essa prática para o Firefox será funcional no IE e em outros navegadores. Aprender a desenvolver no jeito W3C é o caminho correto para iniciar seus estudos de desenvolvimento Web.

Bons estudos e até a próxima.

Mais sobre: desenvolvimento padrões web crossbrowser
Share Tweet
Recomendado
Comentários
Carregar comentários
Destaquesver tudo