J#. O Java da Microsoft?

Artigo de introdução sobre a linguagem de programação J# (Jay Sharp).

Por | @oficinadanet Programação
Olá pessoal!

Este é meu primeiro artigo para a Oficina da Net e, falarei sobre uma linguagem de programação ainda um pouco “obscura”
para os novatos.
Espero que gostem!


Desde o momento que a tecnologia Java assumiu um papel importante dentro do desenvolvimento de software para web, muitas empresas têm buscado uma forma de competir com a Sun Microsystems (desenvolvedora e mantenedora do Java).

A Borland, empresa que desenvolve o Delphi®, entrou nessa briga com o seu JBuilder®, uma IDE para desenvolvimento
baseado em JFrames.

A Microsoft lançou-se no mercado Java com o Visual J++ (lê se "Jay Plus Plus"), que foi considerado por muitos desenvolvedores a IDE mais produtiva do mercado. Essa implementação “pure Java” da Microsoft, por meio de sua própria máquina virtual é bastante confiável e poderosa.

Com o fim do acordo legal entre a Microsoft e a Sun, e os conseqüentes processos da Sun contra a Microsoft, o desenvolvimento da ferramenta estacionou, causando um ponto de interrogação nas cabeças dos desenvolvedores que utilizavam o Microsoft Visual J++.

Com o advento da plataforma de desenvolvimento da Microsoft chamada Microsoft .NET, e criação do C# (lê-se “C Sharp”) baseada na sintaxe do Java, houve muita gente que trocou de lado. Numa grande jogada de marketing da empresa de Bill Gates, é lançado a linguagem J#(Lê se “Jay Sharp”) como combatente ao Java da Sun.O J# sendo uma linguagem escrita do zero, baseada na nova plataforma .NET e seguindo a Java Language Especification da Sun, é a bola da vez da Microsoft em relação a Java.Programas criados em J# não podem ser executados em nenhuma Java Virtual Machine, mas programas escritos em Java podem ser facilmente transportados para a plataforma .NET.

A sintaxe de J# é simplesmente idêntica ao Java.Por ser parte integrante da plataforma .NET, possui acesso a todas os Namespaces do .Net, logo,podemos escrever aplicações console, aplicações Windows Forms (aplicações ricas – Windows), webservices e páginas Web.

A idéia principal da Microsoft é criar um dilema entre os desenvolvedores Java, trazendo mais uma opção para o desenvolvedor, e contribuindo para o desenvolvimento da linguagem.

Aplicação


Você já deve estar louco para começar a desenvolver em J# não é?
Então vamos logo por a mão na massa!

Requisitos


Microsoft Visual J# 2005 Express Edition ou
Download

Microsoft Visual Studio 2005 Standard/Professional Edition
Download

Estudo de Caso


Vamos desenvolver uma pequena aplicação do tipo console no Microsoft Visual Studio. Estarei utilizando a versão Standard Edition, mas vale para todas as outras versões.

Primeiro abra a IDE Microsoft Visual Studio e crie um novo projeto Visual J# -> Console Application. Observe na figura abaixo:

J#. O Java da Microsoft?


Dê um nome qualquer à aplicação na caixa Name.
O projeto será criado e a aparecerá uma tela semelhante a esta:

J#. O Java da Microsoft?


Observe o código.

Criou-se um pacote (package) e uma classe pública a qual dei o nome de Iniciar.
Neste primeiro artigo não vamos nos ater a explicar conceitos de Orientação a objetos, nem particularidades da linguagem.
Vamos agora incrementar a aplicação, mostrando no console uma frase, mais o nosso nome, idade e sexo.
Veja na próxima tela:

J#. O Java da Microsoft?


Olhe o código acima.
Esse System.out.println() te lembra algo?
Clique na setinha verde lá me cima (Start Debugging) para compilar e executar a aplicação.
Se tudo ocorrer como o previsto aparece a seguinte tela do console :

J#. O Java da Microsoft?


É, ficaremos por aqui com esta introdução acerca da linguagem J# e sua integração dentro da plataforma .NET.
Nos próximos artigos focaremos mais na linguagem e na IDE Visual Studio.
Espero ter acrescentado algo para seu aprendizado!

Segue em anexo o artigo em versão PDF e os fontes do exemplo.

Abraços, até a próxima!


Jorge Ádammo Galvão

Mais sobre: jsharp dotnet csharp
Share Tweet
Comentários
Carregar comentários
Destaquesver tudo