A ISO 9001:2008 sem mistérios, através do seu Anexo B! - Parte 1

A versão 2008 da ISO 9001 mantém sua essência inalterada, isto é, os oito princípios de gestão, a abordagem de processos, os títulos e campo de aplicação e estrutura continuam vigentes, só que aperfeiçoados, com maior clareza e melhoria na tradução, aumentando a consistência com a família 9000 e a sinergia com os conceitos da gestão ambiental da ISO 14000.

Por | @oficinadanet Negócios
Dando continuidade ao post anterior no qual foi oficializado a publicação da ISO 9001:2008, estaremos através de uma série de outras publicações, começando por esta, desmistificando as novidades e melhorias de conteúdo desta nova versão. Para tanto iremos utilizar como base o Anexo B desta Norma, que se encontra disponível neste link. Neste anexo, podemos comparar com a versão anterior, ou seja, a 2000, aquilo que foi “deletado” e/ou “adicionado”.

Num mundo cada vez mais globalizado e dinâmico, também as normas precisam se adequar. A versão 2008 da ISO 9001 mantém sua essência inalterada, isto é, os oito princípios de gestão, a abordagem de processos, os títulos e campo de aplicação e estrutura continuam vigentes, só que aperfeiçoados, com maior clareza e melhoria na tradução, aumentando a consistência com a família 9000 e a sinergia com os conceitos da gestão ambiental da ISO 14000.

Os principais impactos no SGQ com essa nova versão da norma ficam por conta da facilitação na interpretação dos requisitos e da necessidade de atendimento aos requisitos estatutários e regulamentares relacionados aos produtos.

O foco também aumenta para os resultados e a melhoria contínua.

Vamos iniciar a troca de conhecimento / interpretação desta nova versão, a partir dos tópicos iniciais, ou seja:

  • 0.1 Generalidades: esclarece a questão da conformidade com os requisitos regulatórios e estatutários, que deverão ser atendidos quando se referem ao produto (na verdade, o resultado do processo).
  • 1. Escopo: reforço na preocupação com o atendimento a requisitos regulamentares e estatutários para o produto, que não é somente o produto intencional, mas abrange o produto adquirido e o resultante dos estágios intermediários da produção.
  • 3. Termos e Definições: foi eliminada a definição fornecedorXorganizaçãoXcliente.
  • 4.1. Requisitos Gerais: o texto ficou mais explicativo, além de permitir que as organizações definam os controles a serem aplicados aos processos terceirizados. O uso do requisito 7.4 como controle aos processos terceirizados.
  • 4.2. Requisitos de Documentação: Melhoria no entendimento e liberdade para as organizações definirem os documentos e registros necessários para garantir a eficácia dos seus processos, além dos já requeridos pela norma (vide Nota 1 da sub-clausula 4.2.1). Na sub-clausula 4.2.3, ficou definido que os documentos de origem externa que devem estar sob controle são os necessários para o planejamento e operação do SGQ. O item 4.2.4 – controle de registros foi completamente revisado, e estipulou-se que os “registros estabelecidos para fornecer evidência da conformidade com os requisitos e da efetiva operação do SGQ devem ser controlados”.


No próximo post, continuaremos a troca de experiências sobre estas melhorias, utilizando as informações contidas no Anexo B da ISO 9001:2008.

E você, qual é a sua opinião sobre a nova versão da ISO 9001?

Sua organização que possui o atual SGQ certificado pela ISO 9001:2000 irá buscar a recertificação pela nova versão na próxima auditoria de manutenção, no término do certificado ou esperar até 14 de novembro de 2009?

Ou esperar que o certificado ISO 9001:2000 da sua organização perca a validade no dia 14 de novembro de 2010?

Mais sobre: iso qualidade iso 9001
Share Tweet
Recomendado
Comentários
Carregar comentários
Destaquesver tudo